quinta-feira, 28 de março de 2019

Os meus 30 álbuns de rock preferidos dos 90

Listas são sempre listas. E é absolutamente impossível de se agradar a todos. Fazer uma tipo "Os 30 melhores", acho fantasioso e arrogante. Por isso escrevo aqui a minha que chamo, simpaticamente, "Os 30 meus preferidos". E sem ordem, por favor. Afinal, hoje eu estou apaixonado pelo Kyuss, amanhã é pelo Sonic Youth, mais tarde... Talvez pelo Soundgarden. Louco pra escutar Body Count! No outro dia, não é nada disso. Portanto, adoro esses e ficaram muitos de fora. Mas se tem que ser apenas 30, que sejam estes. Sendo somente um por banda, pra falar de mais bandas.  Com dor no coração deixei de fora vários... É a vida! 

Não tenha dúvidas de que esta obra está jorrando criatividade e ousadia. Dois dos melhores ingredientes do rock'n'roll. Como se não bastasse, além da inspiração das composições, a excelente técnica. Puta album duplo de rock "Use your Illusion"!

Os caras chocaram o mundo da música pesada ao misturar eletrônico e metal em The Mind Is a Terrible Thing to Taste. Em "Pselm 69" eles foram além. Eles fizeram um disco foda. 

Ele estava velho pro rock'n'roll... Tá bom! Vá pensando. Escute "Ragged Glory" do Tio Neil Young e da sua Crazy Horse e sinta o peso, a inspiração, atitude... Tudo que resume o estilo. 

O grunge foi o movimento que abriu os 90 que tinha como objetivo resgatar a simplicidade do rock. Com base no hard rock setentista e o punk, o estilo teve sua base na cidade de Seattle, Washington. O Pearl Jam é um dos pilares e este disco é antológico. "Ten" é repleto de hinos de nomes curtos. Discoteca Básica do rock. 

A virada dos anos 80 pros 90 foi de uma mistura incrível de estilos e vibes em sons que terminavam rock'n'roll. Se os 60/70 eram de muito Marshall, os 80 foram synth. Já os 90 foram a porra toda, tudo misturado. Um filho legítimo dessa salada é o Prodigy com o eletrônico sendo maravilhosamente fundido ao metal. Fudido mesmo! Esse álbum "The Fat of the Land" é um ícone 90tista!

A melancolia tomou conta de mim. Esse disco é de uma profundidade impressionante, onde o genial Thom Yorke conseguiu fama e aclamação da crítica ao incorporar ao seu som ambient music, eletrônica, noise e muito mais. Composições emocionantes, produção impecável. "Ok Computer" é sim uma obra de arte. 

Falar de anos 90 e não citar o debut do Rage Against the Machine é pecado mortal. Um verdadeiro manifesto. Uma porrada na cara como há muito não se via. Ouso dizer que é o último trabalho originalíssimo do rock. O último grito! Public Enemy, Afrika Bambaataa, Beastie Boys, Urban Dance Squad tudo no liquidificador batido com as guitarras mais locas que esse mundo viu na década para emoldurar as letras incendiárias de Zack de la Rocha. Com, "Rage Against the Machine", colocaram seus nomes na história. 

O R.E.M. amadureceu e cometeu um discaço, cheio de texturas, melodias tristes, arranjos sombrios... Se o "Out of Time", da capa amarela era "Shiny Happy People", este "Authomatic for the People" é preto e branco e bem mais "Everybody Hurts" . Apenas John Paul Jones foi o responsável pelo arranjo de cordas ouvidos neste disco. Fundamental para se entender a música alternativa dos 90s . 

Ok ok. Você acha "Nevermind" a obra prima do Nirvana. Não vamos brigar. Nesta lista, como eu disse, entra o meu gosto e eu prefiro o In Utero. Aqui temos uma explosão em uma música intensa, onde vemos claramente com os ouvidos a revolta de Kurt Cobain e uma obra perfeita, mas teve um problema. O incensado Steve Albini, contratado para produzir o disco não agradou muito no seu produto final. Por isso a banda contratou Scott Litt para fazer alterações no som. Bingo. 

Um marco histórico na carreira desta banda californiana, BSSM foi gravado em "The Mansion" Uma mansão pertencente ao grande produtor Rick Rubin, que fica entre as letras famosas HOLLYWOOD naquele morro cartão postal de Los Angeles. Todos os timbres maravilhosos, todas as composições inspiradíssimas! Tudo perfeito soma-se ao trabalho do Rubin que arrebentou. Depois de "Blood Sugar Sex Magik", acho que o RHCP não saiu mais do "gibiruei", repetindo a mesma música sem parar... 

Mais uma vez, existe um álbum mais famoso, querido, incensado. O "Roots". Gosto bastante também. Fez a banda Sepultura chamar a atenção do povo, da massa roqueira e vender caminhão de CDs. Perfeito. Mas o meu preferido dos 90 dos mineiros é "Chaos A.D." Acho que aqui a banda se modernizou, sem perder a essência, batendo de frente com as bandas de metal. Todas. Que vinham emplacando na década. Orgulho do nosso país. Mas também orgulho do metal, que respirava a plenos pulmões. 

Um dos meus quatro discos preferidos do Slayer é dos anos 90. Agressivo e melódico na medida certa, devagarinho os monstros da Bay Area iam modernizando o seu som, sem perder a grosseria. Riffs matadoras, batidas impressionantes, todo o cardápio está ali, mas com uma produção muito foda da dupla Rick Rubin & Andy Wallace. Formação original. "Seasons in the Abyss" tinha mesmo que ser um discaço! 

Apesar de gostar de todos os discos do Soundgarden. Este é o meu preferido. Até o primeirão alternativaço, duro de escutar, eu me amarro. Tudo bem que "Superunknown" é o grande sucesso da banda, mas "Badmotorfinger" é um soco! Se o grunge é uma mistura de punk e hard 70, este álbum é o extremo do Black Sabbath junto dos hardcore 80 e muita personalidade. Saborosíssimo rock pesado dos 90. 

Com o estouro do grunge no início dos anos 90, a banda de college rock americana Sonic Youth resolveu entrar na onda, já que o seu album "Goo" estava mesmo no caminho. A contratação do produtor  Buch Vig,  do aclamado "Nevermind" do Nirvana dava a pista. Tudo bem. Veio um disco maravilhoso, híbrido college/grunge com noise na medida certa para ser comercial. Isso mesmo, comercial. E foi. Bombou na MTV. "diRty" é assim. Sujinho. Roque rovoltadinho MTV. Gostamos! 

Das profundezas do rock triste e revoltado, junkie e chuvoso de Seattle, o Alice in Chains é um dos mais talentosos e fortes do movimento grunge. Seu segundo trabalho, intitulado "Dirt", simplesmente "Sujeira" é de uma profundidade impressionante, com temas carregados, densos, de belas melodias e, óbvio, sujo. Lindo. 

Sendo o sétimo trabalho da experiente banda paulistana Titãs, Titanomaquia tem a batuta do mago Jack Endino, o mesmo de "Bleach" histórico LP inaugural do Nirvana. Apesar de não contar com Arnaldo Antunes, a obra é espetacular, com a marca registrada do ex-octeto de letras fortes e inteligentes, arranjos bastante originais e, com a produção de Endino, um puta som chegando no grunge. Muito bem feito e inspirado. Noventista até o talo. "Titanomaquia" é absolutamente brilhante. 

A surpreendente estreia do laureado rapper Ice-T no heavy metal é histórico. Temos que falar do self titled "Body Count". Ele é polêmico, violento e retrata com perfeição o panorama da sua quebrada - South Central, das mais perigosas cidades de todos os Estados Unidos, na Califórnia. O peso do heavy moderno. O balanço e a verborragia do RAP. Tipo RATM, mas totalmente diferente. Lotado de negritude e personalidade. Um marco. Um tiro. 

Na vanguarda do rock brazuca. Se no sul maravilha a esmagadora quantidade de bandas fazem cópia descarada dos gringos, um visionário aproveitava as influências roqueiras e as batia no liquidificador com as suas raízes. De Recife para o mundo. Poucas cópias foram vendidas do disco de estreia do Chico Science & Nação Zubi. E do segundo, esse "Afrociberdelia" também. Números decepcionantes por estar muito a frente do seu tempo. Este CD é uma obra prima. Entra pra história do rock brasileiro como um dos seus grandes diamantes. "Maracatu Atômico" é um hino.

Tem aí um rock que é a cara de San Francisco-CA? Amor livre, mistureba de etnias, culturas... Temos o Jane's Addiction com um verdadeiro liquidificador cultural misturando o groove rock da época bastante em voga (Red Hot, Living Colour, Urban Dance Squad, entre outros) e o conceito "circo de horrores" que foi levado para o Lollapalooza (criado pelo seu líder Perry Farrell). O disco "Ritual de Lo Habitual" é o melhor do Jane's e tem "Stop". MTV pra caralho, né?! Tempo bom! 

Tente encontrar as influências do Living Colour... E você irá achar várias e nenhuma. Uma das mais originais bandas da história do rock. Marcado pelo groove da sua cozinha de feras do jazz e do funk  com a guitarra mortal de Vernon Reid, cospidora de riffs incríveis. "Time's Up" é um disco pra dar o nó na cabeça de qualquer um, desde o início, com a faixa título. Um dos meus melhores LPs. Da vida. 

Já falamos da música dos grandes centros. De South Central a São Paulo. De Recife a Seattle. Mas e do deserto? Pois é. Se o grunge arrasou no norte dos EUA, foi no sul da California, mas precisamente em Palm Desert, que surgiu outro movimento. O Stoner. E dentre as bandas que ia pro meio do deserto fazer "barulho", um ícone. Kyuss. Viagens lisérgicas baseadas no baixo Rickenbaker distorcido ao máximo, peso, instrumentais longos, efeitos vocais... "Blues for The Red Sun" é uma bela obra onde as faixas se completam em uma trip destorcida com belas riffs e arranjos incríveis. "Green Machine" é um tiro! Pena que a banda durou pouco e deixou apenas quatro discos. Pena. 

Quando todo mundo tava curtindo o rock cheio de influências negras do U2 (fruto da viagem ao sul dos EUA que é narrado em "O Rato e a Rã"), eles desconstruíram tudo para construir um novo conceito para o seu som. Mais pop, mais dançante. Confesso que odiei através do meu preconceito na hora e não quis escutar. Depois de burro velho, coloquei a tecla play em "Achtung Baby" e amei! Cara, que disco foda! Os irlandeses acertaram em cheio, mudando tudo. Gênios, gênios. "One" é um primor. As outras também. Obra prima.

Este é um grande mestre. Talvez um dos cinco maiores da história do rock. O Camaleão que mudava de cara, roupagem e tudo mais e continuava sempre a frente do seu tempo. No apagar das luzes dos 90 comete essa masterpiece  absoluta. "hours..." é de uma beleza e tristeza absurdas. Texturas, climas, letras, da maior profundidade. Auto biográfico. Certeiro. Bowie. 

Quando o rock alternativo chega a um ponto de maturidade que cai no gosto de geral, lança sucessos e segue seu caminho. Este álbum é alternativo/grunge na maioria dos seus momentos, mas é cantarolável em pérolas como "1979" e o mega sucesso "Tonight, Tonight". É  considerado obra-prima de Billy Corgan. E é justo. Balanceado e inspirado, "Mellon Collie..." é brilhante. Puta disco dos anos 90. 

No meio de tantos álbuns alternativos na minha lista dos 90s, tinha que pintar um daqueles blockbusters do cancioneiro roqueiro. kkkkk. Sim, porque é aqui que o bicho pega e uma história de sucessos é consolidada. Se em "Pulp", os caras foram às estrelas... É em "Get a Grip" que eles se transformam em monstros do rock. Uma lição de vida para quem acha que tudo está perdido. Boas escolhas, aproveitando o talento que você possui e a sua vida pode cambiar em um giro de 860 graus. Graças também ao mago Bruce Fairbairn, que produziu Bon Jovi, Van Halen, entre outros. Um discão de rock'n'roll comercial. Saboroso. Talentoso. Brilhante!

Se os anos 90 são marcados pela mistureba, a destruição de fronteiras dentro do rock que transou com o funk, soul, maracatu e o escambau, narra o início de uma história que iniciou lá nos 80 com os seminais Venom, Bathory, Sarcófago e Hellhammer. O death metal. E um dos mais gostosos de todos os tempos é "Utopia Bunished" dos ingleses Napalm Death. Extremo, chocante, visceral. Quinze faixas que passam como um trator Caterpillar por cima da cabeça de qualquer um. Os caras tocam muito e muito rápido. Um marco no seu tempo. Mark "Barney" Greenway, vocalista e Shane Embury, descabelado baixista, estão lá até hoje. Soco na boca do estômago.

O meu álbum preferido do Metallica é o "Ride The Lightning" e abomino o "pop" que os californianos quiseram colocar no seu som em "Load". Mas a sacada de chamar o incensado Bob Rock para produzir "Metallica", ou "Black Album", como é conhecido foi mesmo de mestre. Ele captou o que a banda tem de melhor em agressividade e heavy metal e moldou em uma embalagem irresistível, melodiosa na medida certa. Fora um caminhão de críticas, é mesmo um puta disco com momentos sombrios, ganchudos, assoviáveis e até balada. Transformou o 'tallica em gigante. E colocou o álbum preto na história. Puta disco. 

Eita anos 90, zona do carai. Aqui um bando de hippies motoqueiros bagaço com uma proposta de som bagaço com distorção e balanço cativantes. O White Zombie é o projeto do grande Robbie Zombie, que depois se notabilizou também por ser um puta produtor de cinema... bagaço! "La Sexorcisto" não dá pra ficar parado. Com seu ritmo cativante, mistureba do cacete e composições inspiradíssimas. Este disco tem o hino "Black Sunshine" com a participação do pai de todos Iggy Pop o que já valem os 300 Cruzados Novos investidos no LP. 

Se tem uma banda alternativa aqui é o Morphine, absurdamente genial job de Mark Sandman (RIP) e o seu inacreditável baixo de duas cordas. Soturna até o talo, eles nunca conseguiram o reconhecimento devido nem no rock alternativo, ganhando mais projeção com a morte do seu líder. "Cure for Pain" é um disco lindíssimo, um tanto depressivo, de melodias incríveis e bom gosto a toda prova na produção. Vale a pena conhecer este tesouro enterrado em meio a toneladas de bandas do mesmo período. Morphine é diferente. É genial de verdade. 

Pra encerrar, uma farofa. Esse guerreiro, menino chamado Jon Bon Jovi. Quando todas as bandas do estilo hard glam fizeram água. Quando o estilo foi pro ralo, tio Jon não sentou na beira do meio fio e chorou. Sentou na escada do prédio e cantou. Reformulando os trajes, cabelos, repaginando a banda... Bon Jovi não era mais a mesma. Mas era a mesma fábrica de hits de outrora. Trocando a produção exagerada oitentista para algo mais atual. Musical e urgente, como exigem os anos 90. Sobreviveu sozinho na sua turma, atravessando a década do grunge ao meter hit em cima de hit nas rádios, MTV, VH1... Jon manteve a fé. E trabalhou. "Keep the Faith" Merece estar na lista, principalmente, porque é um disco foda. 




















sexta-feira, 30 de novembro de 2018










Alguns destes LPs ou CDs eu curti na íntegra. Outros escutei em MP3. Para fazer a lista, escutei alguns muito bons. O que me permitiu acumular conhecimento sobre o bom e velho rock. Mesmo que muita gente tenha falado que os 90s não teve tanta coisa boa. Provei pra eles. É muito trabalho sensacional nesta década. Claro que está faltando bastante coisa. Existe o limite da montagem por ano. Mas tem muita coisa boa aí. Com certeza. Com vocês... Os ANOS 90 DO ROCK'N'ROLL. O canto do cisne maldito! 

Thin Lizzy no palco!

Uma das fotos mais incríveis da história do rock: Senhoras e senhores - Thin Lizzy! Phill Lynno
t e Scott Gorham!

As maiores bandas de rock do mundo




Claro. Cabe discussão. Esta lista leva em conta tamanho no sentido de vendas, popularidade e influência no meio. Dos debates promovidos, a maioria pedia Van Halen. Se esta lista não pode mudar o tamanho (acrescentar ninguém), acho que sairia o Pearl Jam para entrar o VH. Será?! 

sábado, 2 de janeiro de 2016

As 100 maiores bandas de hard rock de todos os tempos!

A VH1 é um canal de televisão especializada em música, exatamente como a MTV. São concorrentes para o mesmo público, mas o que a VH1 tem de diferente é que o canal não se limita a apresentar clipes agrupados de acordo com um público-alvo. Eles fazem muitas biografias e sua série "Behind The Scenes", programa demonstrando as dificuldades de artistas diversos, serve para vários futuros artistas, como você, terem maior noção das tentações e opções neste negócio selvagem que é a indústria fonográfica. Espera-se uma nova geração de músicos e artistas mais conscientes e menos dados a desbundes no futuro próximo. Outra novidade que este canal nos trouxe no ano 2000 são as votações dos melhores da era rock 'n' roll que compõe estes últimos trinta/quarenta anos. Então oferecemos aqui para você a lista compilada, por votos, das 100 maiores bandas de hard rock de todos os tempos.
As 100 Maiores Bandas de Hard Rock de Todos os Tempos é exatamente isto, uma lista de cem bandas que tocam pesado e que foram listadas por votos em 2000. Evidentemente a lista não irá corresponder à opinião de uma pessoa, mas é a soma dos votos combinados de diversos músicos e jornalistas. É claro que esta lista tem 15 anos... Mas, sinceramente, apareceu alguma coisa que seja relevante nos anos 00 para estar aqui?! Pra mim não. Então vou soltar esta listinha! 
O Led Zeppelin é a melhor e fim de papo!
O ranking da VH1 para o hard rock é este aqui, ó:

100. Quiet Riot
099. Bad Brains
098. Mountain
097. Primus
096. Meat Loaf
095. Fugazi
094. Yes
093. Lenny Kravitz
092. Black Crowes
091. Danzig/Misfits
090. Rainbow
089. Lita Ford
088. Tool
087. King Crimson
086. Foreigner
085. Whitesnake
084. UFO
083. King's X
082. Queensryche
081. Pixies
080. Green Day
079. Ratt
078. Marilyn Manson
077. Hole
076. Bon Jovi
075. Spinal Tap
074. Pat Banatar
073. Twisted Sister
072. Foo Fighters
071. Lynyrd Skynyrd
070. Living Colour
069 Megadeth
068. Hüsker Dü
067. Rolling Stones
066. Joan Jett & the Blackhearts
065. The Cult
064. Steppenwolf
063. Boston
062. Ministry
061. Jethro Tull
060. NewYork Dolls
059. Bad Company
058. Anthrax
057. Heart
056. White Zombie
055. Blue Öyster Cult
054. Sonic Youth
053. Korn
052. Faith No More
051. Thin Lizzy
050. Slayer
049. Smashing Pumpkins
048. Janis Joplin
047. Rollins Band/Black Flag (Henry Rollins)
046. Scorpions
045. Pantera
044. ZZ Top
043. Nine Inch Nails
042. Kinks
041. Ted Nugent
040. Stone Temple Pilots
039. Neil Young
038. MC5
037. Yardbirds
036. Frank Zappa
035. Jane's Addiction
033. Rage Against The Machine
032. Doors
031. Def Leppard
030. Red Hot Chili Peppers
029. Mötley Crüe
028. Rush
027. Iggy Pop/Stooges
026. Motörhead
025. Cheap Trick
024. Iron Maiden
023. Judas Priest
022. Deep Purple
021. Pearl Jam
020. Alice Cooper
019. The Clash
018. Ozzy Osbourne
017. Ramones
016. Cream
015. Pink Floyd
014. Sound Garden
013. Queen
012. Sex Pistols
011. Aerosmith
010. Kiss
009. Guns N' Roses
008. The Who
007. Van Halen
006. Nirvana
005. Metallica
004. AC/DC
003. Jimi Hendrix Experience
002. Black Sabbath
001. Led Zeppelin

Fonte: Hard Rock: as 100 maiores bandas do estilo segundo a VH1 http://whiplash.net/materias/melhores/007449-ledzeppelin.html#ixzz3w5FMK2QB
Follow us: @Whiplash_Net on Twitter | Whiplash.Net.Rocksite on Facebook

quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Vamos subir! 2016 é o ano da virada!!!

Se 2015 foi difícil e foi para toda a humanidade. Desde as catástrofes de quedas de avião, com o terrorismo do Estado Islâmico e tantas violências que não estão nos noticiários... Aqui no Brasil a coisa ficou preta com a crise econômica que abalou todas as estruturas. Acredito que 2016 seja o ano da virada e se a gente sofreu com a caminhada no período que se encerra... Sou obrigado a admitir que o ano começa com uma grande escada, onde a força, misturada com a perseverança, equilíbrio, foco, fé, amor e determinação são os ingredientes exigidos para um Reveillon de 2017 muito mais, digamos, aliviado. E que possamos acreditar! Eu quero acreditar que este é o ano da virada! Novos projetos, novos desafios. Vem comigo... Pro alto e avante! GRANDE 2016 para todos nós!!!

Que marra, hein!

Não é de hoje que o homem acha que ter um bem material conquista. Em 2016 mais SER do que TER, por favor!